O passo-a-passo do empreendedor
4.5 (3 ratings)
Instead of using a simple lifetime average, Udemy calculates a course's star rating by considering a number of different factors such as the number of ratings, the age of ratings, and the likelihood of fraudulent ratings.
20 students enrolled
Wishlisted Wishlist

Please confirm that you want to add O passo-a-passo do empreendedor to your Wishlist.

Add to Wishlist

O passo-a-passo do empreendedor

Um guia para diminuir os riscos de quem quer empreender, mostrando, via ferramentas, como se monta uma proposta de valor
4.5 (3 ratings)
Instead of using a simple lifetime average, Udemy calculates a course's star rating by considering a number of different factors such as the number of ratings, the age of ratings, and the likelihood of fraudulent ratings.
20 students enrolled
Created by Clemente Nobrega
Last updated 10/2013
Portuguese
Current price: $10 Original price: $20 Discount: 50% off
1 day left at this price!
30-Day Money-Back Guarantee
Includes:
  • 1 hour on-demand video
  • Full lifetime access
  • Access on mobile and TV
  • Certificate of Completion
What Will I Learn?
  • Ensinar a diminuir o risco inerente a qualquer iniciativa empreendedora, por meio de ferramentas práticas aplicadas passo-a-passo .
View Curriculum
Requirements
  • Noções básicas dos fundamentos do marketing principalmente a ideia de segmentação
Description

Fala-se demais que o tempo em que vivemos é marcado pela mudança. Que “a mudança muda mais rápido do que podemos entender e nos adaptar; blá..blá..blá” .É um clichê que beira o insuportável e, se você é como eu , já deve estar cheio desse papo. Será que ainda se pode dizer algo original e inspirador sobre “mudança”? Se ela é o dado central em nossas empresas e nossas vidas , eu começaria perguntando: “Qual o insight mais inspirador sobre a ideia de mudança? “.Quem disse as coisa mais verdadeiras e originais sobre esse tema? O que sabemos hoje com certeza sobre o que é “mudar”?

Charles Darwin mostrou que mudança que mantém vivo o que está vivo, se chama evolução. Ele estava interessado nas coisas vivas (não em planetas ou objetos inanimados como Newton), e concluiu, depois de décadas de pesquisa, que tudo o que é vivo é resultado, não de um ato criador isolado, não de um evento estático, mas de uma dinâmica que se desenrola há bilhões de anos e que, hoje sabemos, vale para empresas também. Para termos sucesso hoje ,na vida do dia-a-dia e na empresa, temos de saber interferir com essa coisa de mudança. Mudança tem que ser gerenciada, não pode mais ser deixada ao acaso. Quando essa interferência a que chamamos de gestão é bem sucedida nós damos a ela o apelido de”inovação. Quando é mal sucedida nós a chamamos de KODAK, Enciclopédia Britannica,Nokia, BlackBerry,Microsoft talvez…
Nosso segundo curso no INNOVATRIX 5 minutos, chamado “O passo-a-passo do empreendedor”- que será anunciado semana que vem, vai começar com o estágio inicial na vida de qualquer organização que venha a ter sucesso. Vai apresentar ferramentas práticas para que a empresa evolua e não morra jovem.
Em outros cursos,mais adiante, vamos ver o que a empresa tem que fazer para continuar a “não morrer” à medida que o tempo passa.

Who is the target audience?
  • Pessoas que querem empreender.
Students Who Viewed This Course Also Viewed
Curriculum For This Course
Expand All 10 Lectures Collapse All 10 Lectures 01:05:29
+
O passo-a-passo do Empreendedor
10 Lectures 01:05:29

Nesta aula veremos um conceito básico.Quando o cliente percebe VALOR, ele adota; ele compra.O talento que temos de ter é o de decodificar o que significa VALOR para o cliente, ou seja: especificar da maneira ,mais “científica” possível ,o que é valor para ele.Garantir que o novo arranjo que vou propor-que chamamos “modelo de valor”- dá dinheiro. Ou seja ganha mais do que gasta.

Preview 04:17

Um modelo de negócios é a lógica que descreve como a empresa vai gerar valor e ficar com um excesso.Em gestão, a solução de um problema cria sempre problemas novos.Poucas empresas, ainda hoje, preocupam-se em gerenciar sistematicamente a experiência total do cliente, isto é: como o cliente se sente no processo completo.Tem que ter um cliente, tem que ter um conjunto de processos que garantam a melhor experiência total para esses clientes e, tem que ter gente por trás desses processos (mesmo que à distância), mesmo que sejam processos automáticos.

Preview 05:23

No início, podemos errar em quase tudo, mas se falharmos no entendimento do que é valor para o cliente, nada feito. Devemos nos fixar naquilo que um grupo suficientemente grande de clientes, precisa ou deseja que seja feito.Foco numa necessidade clara de um grupo de pessoas, que seja grande o suficiente para pagar o preço que eu preciso, para montar minha oferta de valor. Temos que descobrira tarefa que este grupo ou segmento de clientes quer realizar- o JOB -como dizemos na terminologia INNOVATRIX.

Qual a tarefa que o supermercado de auto-serviço se propunha a ajudar os clientes a realizar? Bem, obter coisas de qualidade para o dia-a-dia, pelo menor preço. Um Job eterno. O segmento de clientes é todo mundo que tem este JOB, e como quase todo mundo tem esse JOB, quem consegue ajudar a realiza-lo fica rico. No caso do supermercado, como no caso do iPod que vamos ver, o segmento de clientes é todo mundo. O mercado de massa,como dizemos. Todo mundo que quer qualidade com preço baixo num caso. Todo mundo que gosta de música no outro.

Depois de dissecar o cliente – descobrindo o que ele considera VALOR (e vamos ver muitos exemplos sobre isso adiante neste curso-temos que ir passo a passo).

Preview 07:20

Canal é o meio por onde você executa a transação. Você vende o que propõe como valor.O canal tem que ser desenhado (pensado) para ser o mais eficiente. Mais eficiente para que mesmo? Para que o Cliente tenha a maior facilidade possível de adquirir o valor que está buscando.Para Comprar.Se você tem uma proposta de valor (e tem que ter) o passo seguinte é desenhar o canal mais adequado para vendê-la e entrega-la. Pode ser totalmente virtual, pode ser totalmente humano, pode ser misto. O que importa é que o canal reforce sua proposta de valor.

Como eu vou atingir meus clientes? Em quais canais vou “vender” para eles?
07:23

Seu objetivo não pode ser só identificar o JOB , especificar a proposta de valor, e a forma de vender. Tem mais uma coisa que tem de encaixar nessas outras: o cliente tem que perceber você de uma forma única, singular Tem que acontecer alguma coisa boa na mente do cliente durante sua experiência total com você.

Relacionamento.

Isso tem a ver com a experiência total do cliente que tem de ser gerenciada sistematicamente. Tem a ver com tudo o que diga respeito a entrega do valor que você lhe prometeu (não apenas com a venda!). Como o cliente se sente ao usar seu produto/serviço.

Mais um elemento em nosso modelo .

Relacionamentos. Que tipo de percepção eu quero que meu cliente tenha de mim
07:46

Até aí tudo bem, mas ...tudo o que te valor tem custo, lembra? Se está entrando $$ está saindo também- para viabilizar a entrega do valor ao cliente.Eu vou ter que gastar para fornecer o que o cliente precisa minha oferta de valor). Essa parte dos custos veremos nas aulas seguintes do nosso INNOVATRIX 5min.Até agora foi a parte criativa. Entender o JOB, propor o valor, desenhar os canais os relacionamentos, e ver o dinheiro entrando. Mas não se iluda não. Não falamos no preço a cobrar por exemplo, o preço não é parte do modelo por que não depende de nós, depende do cliente. A gente tem que desenhar o modelo e “sugerir” o preço, é o cliente que decide se vai pagar ou não. E ele só paga se perceber valor, né?

Os custos do seu modelo de valor
05:23

Para cumprir a promessa de valor, ou seja para o cliente perceber valor (e pagar!) eu tenho de ter certos recursos-chave . Guarde: Recursos são coisas que eu tenho que TER para poder entregar o valor que prometi.Por exemplo: mercadorias boas, lojas bem sinalizadas, infraestrutura para transporte de mercadorias, sistema de controle de estoques, sistema de gestão, infraestrutura física ( o famosos carrinho de supermercado sem o qual o modelo não decolava) essas coisas...Você também vai ter que investir em ATIVIDADES-CHAVE Coisas recorrentes que terão de ser feitas dia-a-dia. Essas coisas têm de ser especificadas como processos. Treinar gente. Fazer propaganda/promoção. Gerenciar contratos c fornecedores. Fazer compras de mercadorias. Essas coisas. Veja na figura mais este elemento do modelo.Repare que é tudo investimento, tudo dinheiro que .Parcerias-chave. Você tem que ter parceiros que estão fora de sua empresa. Fornecedores, fabricantes, bancos , consultores, empresas de manutenção de equipamentos..

Os 9 blocos que tem de ser encaixados para o modelo de valor parar em pé
05:58

O conceito definidor de tudo num modelo de negócios é a identificação correta do JOB.Vemos besta aula vários casos e exemplos.

Onde você não pode errar – JOB que seus clientes querem ver realizado
04:41

A grande maioria das inovações hoje é em modelos de negócio,não é em tecnologias nem em produtos que são facilmente imitáveis.As empresas mais inovadoras do mundo se fixam nesta ideia. Nesta aula veremos exemplos e casos.

Por que você deve se fixar no modelo de valor, não na tecnologia nem no produto
09:55

Vamos trabalhar em conjunto num caso prático que sumariza todos os elementos do modelo. A empresas de aplicativos para celulares que localizam e chamam o taxi mais perto de você. Será que elas vão dar certo? Quem é o cliente delas ,o taxista ou o usuário do taxi? Quem tem o JOB? Quem garantirá um fluxo sustentável de receitas?

Fechando tudo - Construindo modelos de valor na prática
07:23
About the Instructor
Clemente Nobrega
4.5 Average rating
3 Reviews
20 Students
1 Course
Físico de organizações

Físico pela UFRJ com mestrado em Engenharia Nuclear pela COPPE em 1976. Depois de onze anos de trabalho como Físico (5 dos quais na Alemanha),mudei de profissão e fui para a Amil Assistência Médica – em 1987, sem nenhuma experiência em negócios. Comecei implantando um processo de Gestão pela Qualidade que foi pioneiro em indústrias de serviços no Brasil.

Fiz o MBA EXECUTIVO na COPPEAD em 1991, e o STRATEGIC MARKETING MANAGEMENT em HARVARD. De 1990 até 2000 fui diretor de Marketing da Amil Assistência Médica-gestores também têm de gerar resultado fazendo apostas bem informadas sobre o mundo. Nisso, são iguaizinhos aos físicos. Vi claramente que todo tipo de pessoa deve ter um olhar de gestor – independentemente de sua formação. O que conta em gestão (marketing, estratégia) são resultados,não é papo, não é ideologia.

Escrevi 7 livros e dezenas de artigos e colunas para revistas como EXAME e ÉPOCA NEGÓCIOS, SUPERINTERESSANTE e VOCE SA . Ganhei O PREMIO ABRIL DE JORNALISMO em 1997 por um ensaio publicado em EXAME: “EM BUSCA DE OTÁRIOS

Meu livro mais recente– INNOVATRIX – É resultado de uma exaustiva pesquisa que teve como ponto de partida um estudo realizado pelo engenheiro e cientista russo Genrich Altshuller. Com ele, descobri que é possível construir, a partir da ciência, o conhecimento prático para inovar nas empresas e na vida.
No final de 2000 deixei a Amil para me dedicar somente a escrever, fazer palestras e conduzir workshops.
Em meu primeiro livro-EM BUSCA DA EMPRESA QUÂNTICA,de 1996, eu sugeri que a nascente teoria dos sistemas complexos iria inspirar soluções para o mundo das empresas. Naquela época essa era uma ideia incipiente, agora ficou madura .Não é mais especulação é método, ferramenta. É INNOVATRIX.
Basicamente, minha “cabeça de físico” continua motivando tudo o que faço.