Desenvolva Inteligência Emocional
0.0 (0 ratings)
Course Ratings are calculated from individual students’ ratings and a variety of other signals, like age of rating and reliability, to ensure that they reflect course quality fairly and accurately.
4 students enrolled

Desenvolva Inteligência Emocional

Compreenda como administrar sua inteligência emocional
0.0 (0 ratings)
Course Ratings are calculated from individual students’ ratings and a variety of other signals, like age of rating and reliability, to ensure that they reflect course quality fairly and accurately.
4 students enrolled
Last updated 4/2020
Portuguese
Portuguese [Auto]
Current price: $13.99 Original price: $19.99 Discount: 30% off
5 hours left at this price!
30-Day Money-Back Guarantee
This course includes
  • 38 mins on-demand video
  • 1 article
  • 1 downloadable resource
  • Full lifetime access
  • Access on mobile and TV
  • Certificate of Completion
Training 5 or more people?

Get your team access to 4,000+ top Udemy courses anytime, anywhere.

Try Udemy for Business
What you'll learn
  • Compreender e desenvolver inteligência emocional
  • Testes de auto-avaliação de inteligência emocional
Requirements
  • Não
Description

Neste curso você estará apto à distinguir emoções de inteligência emocional, e poderá desenvolver um plano de desenvolvimento da sua IE.

EMOÇÕES E INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

EMOÇÕES

Esforço e dissonância emocionais

Emoções e gêneros

Limites

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Dimensões da Inteligência Emocional

Dimensões da Inteligência Emocional no Trabalho

Aptidões intrapessoais

Autoconsciência

Controle de emoções

Automotivação

Aptidões interpessoais

Destreza interpessoal

Mentoria emocional

Apresentamos alguns conceitos de Inteligência Emocional (IE), onde se destaca a ideia de usar as próprias emoções ao invés de ser controlado por elas.


Who this course is for:
  • Empreendedores
  • Líderes
  • Empresários
  • Autônomos
  • Colaboradores
  • Equipes
Course content
Expand all 5 lectures 37:54
+ Introdução
2 lectures 10:54

A IE foi proposta e definida a partir de trabalhos de Mayer e Salovey e popularizada por autores como Goleman e Weisenger. É medida frequentemente como um Quociente Emocional, avaliando a capacidade para perceber, avaliar e controlar as próprias emoções, de outros e de grupos.

Preview 01:15

EMOÇÕES


As emoções são sentimentos intensos direcionados a alguém ou alguma coisa. Ex: ficar zangado com alguém que o atendeu mal ao telefone.

As emoções podem fornecer boas informações sobre você mesmo, as outras pessoas e as diversas situações. Por exemplo: uma ansiedade em relação a uma apresentação em público pode alertar para o fato de que talvez você não esteja bem preparado. Assim, as emoções representam um papel importante no trabalho, mas devem ser usadas de maneira inteligente. Descontroladas, elas podem ser destrutivas, para a organização e para a carreira do colaborador. Segundo Abreu (2009), embora comumente consideremos que o ser humano é racional, na verdade ele é muito mais emocional. Para ele, as pessoas têm valores ligados às emoções, e rejeitar um valor importante para alguém ou para um grupo pode ser causa de conflito.


4.1.1 Esforço e Dissonância emocionais


Algumas profissões requerem que se projete uma imagem:

  1. Garçons, comissários de bordo: imagem amigável, prestativa;

  2. Dança do ventre: imagem sensual, sorriso e olhares convidativos.

O esforço emocional ocorre quando um funcionário expressa emoções desejáveis pela organização durante transações interpessoais.

A dissonância emocional ocorre quando o desafio é maior: os funcionários estão sentindo uma emoção diferente ou mesmo oposta àquela que é requerida. Imagine uma dançarina de dança do ventre que esteja sofrendo alguma dor física ou moral, e mesmo assim tenha que se apresentar com os requisitos acima mencionados.


4.1.2 Emoções e gêneros


As evidências de pesquisa confirmam diferenças entre homens e mulheres quanto à capacidade de expressar emoção e de entender as emoções alheias.

Mulheres em geral experimentam emoções mais intensas, sentem-se mais confortáveis para expressar suas emoções e entendem melhor as emoções alheias.

Por sua vez, homens têm mais facilidade para controlar as próprias emoções e mais dificuldade para desenvolver empatia com quem as expressa com muita intensidade.


      1. Limites

Os limites para expressão de emoções variam conforme o ambiente em que as pessoas estão inseridas. Uma emoção aceitável em uma quadra de esportes pode ser inaceitável no ambiente de trabalho. Uma emoção aceitável em um país pode ser inaceitável em outro. As influências culturais apresentam normas que variam conforme o país. Vamos apresentar diferenças envolvendo o ato de sorrir para um cliente durante o atendimento prestado, segundo Robbins (2005):

  1. Nos EUA empregados devem sorrir e interagir com os clientes;

  2. em Israel, o sorriso do funcionário pode ser considerado como sinal de inexperiência;

  3. Na Alemanha, pode ser visto como falta de seriedade;

  4. Entre os muçulmanos, sorriso pode ser associado a interesse sexual e mulheres são educadas para não sorrir para os homens

Os limites variam consideravelmente conforme o tipo de organização. Aquelas que trabalham com criatividade, artes, costumam ter mais aceitação para a expressão de emoções, do que, por exemplo, um escritório de advocacia ou uma firma de contabilidade. Mas Robbins (2005) lembra que, seja qual for o tipo de organização, em geral é indesejável a expressão de emoções intensas e negativas e que até mesmo as emoções positivas devem ser mantidas sob controle. Não é demais frisar que os conflitos disfuncionais têm uma base emocional.

Preview 09:39
+ Inteligência emocional, o que é?
3 lectures 27:00

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL


Apresentamos alguns conceitos de Inteligência Emocional (IE), onde se destaca a ideia de usar as próprias emoções ao invés de ser controlado por elas:

  1. Capacidade do indivíduo de identificar e administrar referências e informações emocionais (Robbins, 2005);

  2. Uso inteligente das emoções, fazendo com que trabalhem a seu favor, usando-as como uma ajuda para ditar seu comportamento e seu raciocínio de forma a aperfeiçoar seus resultados (Weisinger, 2001);

  3. Habilidade para enfrentar e resolver situações emocionalmente instáveis com sucesso, como conflitos, gerenciando as próprias emoções, para que não nos dominem atos e pensamentos, nem nos conduzam a decisões inadequadas ou irracionais (Let´s Talk Group, 2013).

A IE foi proposta e definida a partir de trabalhos de Mayer e Salovey e popularizada por autores como Goleman e Weisenger. É medida frequentemente como um Quociente Emocional, avaliando a capacidade para perceber, avaliar e controlar as próprias emoções, de outros e de grupos.

O QE, mais do que o QI, parece ser responsável pelo bom desempenho e o sucesso no trabalho. O QE, ao contrário do QI, pode ser desenvolvido. Mas existem pesquisas indicando que há alguma relação entre QI alto e QE alto, pois pessoas inteligentes percebem a conveniência de desenvolver a inteligência emocional.

A IE pode dotar os gestores de conhecimentos e competências que lhes permitam gerir conflitos e atuar como mentores emocionais. As pesquisas também sugerem que a IE pode ter um papel importante para o desempenho no trabalho:

  1. Estudo com engenheiros da Lucent Technologies indica que a IE e não o QI caracteriza os melhores desempenhos;

  2. Estudo sobre sucessos e fracassos de 12 presidentes norte-americanos mostrou que a IE era o fator que diferenciava os bem sucedidos (como Roosevelt, Kennedy e Reagan) dos mal sucedidos (como Johnson, Carter e Nixon)

  3. Estudos com recrutas das Forças Armadas (FA) norte-americanas mostram que aqueles com melhor desempenho também apresentam alto grau de IE e, a partir desses estudos, as FA americanas reestruturaram seus critérios de seleção, obtendo benefícios como:

  • os novos contratados com alto grau de IE eram 2,6 vezes mais bem sucedidos;

    • a Força Aérea reduziu em 90% a rotatividade entre recrutas e economizou quase 3 milhões de dólares com contratações e treinamento.

Introdução à IE
11:52

Dimensões da Inteligência Emocional


Os autores que estudam a IE costumam conceituá-la a partir de dimensões específicas. Os primeiros autores, como Goleman, e mais tarde Robbins, as classificam como se segue:

  1. Autoconsciência – capacidade de ter consciência dos próprios sentimentos, sabendo o que o mobiliza emocionalmente, necessária para o exercício das demais dimensões;

  2. Autogerenciamento – capacidade de administrar as próprias emoções e impulsos, ao invés de ser administrado por eles;

  3. Automotivação – capacidade de persistir diante de fracassos e dificuldades, sem se deixar desanimar;

  4. Empatia – capacidade de avaliar o que outras pessoas sentem em situações variadas, sem se envolver emocionalmente;

  5. Habilidades sociais – capacidade de lidar com as emoções de outras pessoas.


Dimensões da Inteligência Emocional no trabalho


Weisinger (2001), que estuda a IE especificamente no trabalho, adaptou a proposta de Goleman, classificando as dimensões em dois blocos. No primeiro, estão as aptidões intrapessoais, e no segundo as aptidões interpessoais.


Aptidões intrapessoais


As aptidões intrapessoais envolvem a competência para relacionar-se consigo mesmo e abrangem as seguintes dimensões da IE: autoconsciência, controle ou gerenciamento de emoções e automotivação. A seguir, detalhamos no que consiste cada uma dessas dimensões.


Autoconsciência


A autoconsciência é um elemento básico: a IE só pode começar quando a informação entra no sistema perceptivo. É preciso conhecer-se para poder administrar as próprias emoções. Exemplos:

  1. Para conseguir controlar sua raiva, você precisa ter consciência daquilo que a provoca e de como essa emoção o afeta;

  2. Para driblar o desânimo e conseguir se motivar, precisa ter consciência do modo como você permite que afirmações negativas sobre si mesmo sabotem seu trabalho.


Controle de emoções


Quanto ao controle das emoções, é preciso lembrar que é diferente de reprimir: a repressão das emoções causa neurose. Controlar emoções:

  1. Depende de saber identificá-las e compreendê-las, considerando causas, pensamentos, avaliações, atitudes e alterações fisiológicas;

  2. Envolve saber usar essa compreensão para controlar a expressão dessas emoções (forma adequada).


Automotivação


A automotivação consiste no uso do sistema emocional para dispender energia numa direção específica, com um propósito específico. Exemplo: se você tem que redigir um relatório tedioso, pode apresentar:

  1. Comportamento de baixa IE: adia a tarefa, sai para bater papo, ocupar-se de outras coisas;

  2. Comportamento de alta IE: reconhece que está faltando motivação, procura o que pode haver de interessante e motivador na tarefa ou em recompensas ligadas a ela.


Aptidões interpessoais


As aptidões interpessoais envolvem a competência para relacionar-se com os outros e abrangem as seguintes dimensões da IE: destreza interpessoal e mentoria emocional. A seguir, detalhamos no que consiste cada uma dessas dimensões.


Destreza interpessoal


A destreza interpessoal é importante para o sucesso dos relacionamentos. Formulários de avaliação de desempenho costumam ter uma parte que analisa o bom relacionamento com os outros. Relacionar-se significa aproximar-se das pessoas para trocar informações utilizando meios adequados. Existem técnicas que levam à destreza interpessoal: a capacidade de analisar um relacionamento e a aptidão para comunicar-se nos níveis adequados.

A capacidade de analisar um relacionamento envolve o conhecimento dos limites, considerando as expectativas das partes, examinando suas percepções sobre a outra pessoa, averiguando as percepções da outra pessoa sobre você, determinando os resultados desejados de cada relacionamento.

Por sua vez, a aptidão para comunicar-se nos níveis adequados (nível das trivialidades, nível da informação, nível dos pensamentos e ideias e nível dos sentimentos), envolve a capacidade de identificar o nível em que você e seu interlocutor estão se comunicando, adaptar seu nível ao da outra pessoa e saber quando passar para um nível diferente. Como já vimos, no relacionamento, a comunicação é a base, cabendo explorar as seguintes técnicas:

  1. Auto-revelação: o que você pensa, sente, deseja;

  2. Positividade: defender suas opiniões, crenças e necessidades, respeitando as dos outros;

  3. Escuta dinâmica: ouvir o que a outra pessoa está realmente dizendo/entendendo;

  4. Crítica: expor construtivamente suas ideias e sentimentos em relação a ideias e atos de outrem.


Mentoria emocional


Usar a IE no ambiente de trabalho é um processo que requer tempo e prática. Porém ajudar outra pessoa a agir e reagir de modo emocionalmente inteligente é mais difícil: em primeiro lugar, você está lidando com alguém a quem conhece menos do que a si mesmo. Depois, a pessoa pode ter um baixo QE e nenhuma noção ou interesse em IE.

Dimensões da IE
15:05

Use o anexo para testar sua IE

Exercícios para desenvolver sua IE
00:03